PRELÚDIO

Na Conceito fazemo-nos de tempo e distância. O tempo vem de longe, foi já na década de quarenta que as vinhas da família começaram. A distância não é menor, o Douro Superior sempre foi longe de tudo. A modernidade comprimiu isto tudo..

Distâncias e tempos resolvem-se em soluções simples. Estradas, acessos, proximidades. Tivemos o sonho de engarrafar a mistura do nosso sol com a nosso solo, e levámos este terroir a todo o mundo. Amor pela nossa terra, amor pelo nosso trabalho.

De repente, os nossos vinhos, a síntese do nosso sítio e da nossa dedicação, percorriam o mundo e eram vertidos em copos em mesas de todo o lado. Com eles viajámos, sempre ansiando pelo regresso a casa. De cada viagem trazíamos um novo sonho, uma nova ambição. Às vezes uma amizade, outras vezes um vinho, um projecto em outro continente, uma nova aprendizagem que se funde com a da nossa terra.

A distância é hoje mais curta, e o tempo projeta-se no futuro. Em cada garrafa que pomos de parte, sabendo que dará mais daí a um ano, daí a cinco, daí a dez. Depois, aguardar esses dez anos para acarinhar a espera, serenamente desfrutar a nossa convicção. Sempre um pé no Douro, sempre a nossa herança, esse orgulho e essa responsabilidade. Portugal no mundo, traçando novas rotas pelos mares, levando connosco o nosso chão.

Num vórtice, tempo e distância esbatem-se, resta apenas uma emoção, um arrepio. Conceito.

ESSÊNCIA

Quem prova um vinho Conceito sente no paladar a sua essência. Está lá o nosso amor pela natureza, o respeito às características do clima e do solo, a ambição de fazer sempre o melhor que a nossa terra pode produzir.

A subtileza de sabores esconde por trás uma sabedoria de balancear experimentalismo com tradição, de respeitar as vinhas antigas, da confiança na longevidade dos vinhos, da procura de um perfil refrescante, que apetece beber, não apenas provar.

Os nossos vinhos têm alma porque são autênticos, mas também porque levam consigo a consistência de um projeto vínico que nos envolve com a comunidade local, numa parceria com pastores e agricultores, estimulando uma produção orgânica e natural na região.

Com os anos, o nosso portfólio cresceu para uma gama variada de tintos, brancos, varietais de diversas origens, vinhos do Porto e até mesmo um espumante. O que permanece são sempre os nossos princípios: precisão, sobriedade, elegância, respeito pela natureza e os seus ciclos. Vinhos leves, mas profundos. Apetecíveis, mas longevos. Contidos, sóbrios, mas generosos e sofisticados.

CARÁTER

Pureza, elegância e autenticidade é o nosso lema. Não é um lema vazio. É um programa de vida, um desígnio, um compromisso para com a nossa terra, o nosso pessoal, os nossos clientes e seguidores.

Pureza significa que o nosso vinho se funda na vinha, nas uvas, nas quais colocamos todo o nosso esforço e saber. Significa compromisso para com a nossa terra, para com o futuro, o legado que construímos todos os dias quando optamos por não usar químicos, por deixar uma pegada ecológica limpa, por acreditarmos no nosso terroir e o preservarmos em harmonia sustentável.

Elegância é a definição do nosso sítio, a frescura que a altitude nos dá, a enologia pouco interventiva que constrói a ligação entre o amor às nossas vinhas e o prazer que queremos encontrar no copo, à mesa. Esta integração, equilíbrio e suavidade, o cunho refrescante dos nossos vinhos, a vontade de beber mais um copo e desfrutar da delicadeza sofisticada dos aromas e dos sabores, são a bússola que guia todo o trabalho que desenvolvemos.

Autenticidade representa a nossa convicção que deste terroir de exceção podem sair vinhos marcantes, que ultrapassam barreiras geográficas e burocráticas, cartões de visita do nosso cantinho do Douro para todo o mundo.

CARÁTER

Pureza, elegância e autenticidade é o nosso lema. Não é um lema vazio. É um programa de vida, um desígnio, um compromisso para com a nossa terra, o nosso pessoal, os nossos clientes e seguidores.

Pureza significa que o nosso vinho se funda na vinha, nas uvas, nas quais colocamos todo o nosso esforço e saber. Significa compromisso para com a nossa terra, para com o futuro, o legado que construímos todos os dias quando optamos por não usar químicos, por deixar uma pegada ecológica limpa, por acreditarmos no nosso terroir e o preservarmos em harmonia sustentável.

Elegância é a definição do nosso sítio, a frescura que a altitude nos dá, a enologia pouco interventiva que constrói a ligação entre o amor às nossas vinhas e o prazer que queremos encontrar no copo, à mesa. Esta integração, equilíbrio e suavidade, o cunho refrescante dos nossos vinhos, a vontade de beber mais um copo e desfrutar da delicadeza sofisticada dos aromas e dos sabores, são a bússola que guia todo o trabalho que desenvolvemos.

Autenticidade representa a nossa convicção que deste terroir de exceção podem sair vinhos marcantes, que ultrapassam barreiras geográficas e burocráticas, cartões de visita do nosso cantinho do Douro para todo o mundo.

RITA MARQUES

A Rita é a cara da Conceito. A Rita é a alma da Conceito. A entrada da Rita na empresa familiar liderada pela mãe, Carla Ferreira, foi a pedra de toque da Conceito, a ponte que permitiu conjugar história com a ambição de criar marcas novas, tal como a própria Rita conjuga juventude com sabedoria, conhecimento técnico com intuição.

Desiludida com a Engenharia Mecânica, Rita optou pela via da terra e do vinho. Formada em Enologia em Vila Real e Bordéus, escolheu cuidadosamente o seu percurso profissional, aprendendo e trabalhando lado a lado com alguns dos mais influentes enólogos do mundo, em alguns dos mais fascinantes terroirs do mundo: Bordéus, Califórnia, África do Sul, Nova Zelândia.

O regresso ao Douro trouxe à Rita um outro crescimento. De enóloga fez-se líder e a sua liderança envolvente permitiu-lhe construir uma equipa coesa, ambiciosa, dinâmica. Sempre para fazer vinhos que espelhem a sua personalidade. Ou melhor: o modo como a sua personalidade interpreta os sítios. O resultado são vinhos únicos: pessoais, apaixonados, frescos. Visões do transporte da terra crua para a mesa, a refeição, o convívio.

RITA MARQUES

A Rita é a cara da Conceito. A Rita é a alma da Conceito. A entrada da Rita na empresa familiar liderada pela mãe, Carla Ferreira, foi a pedra de toque da Conceito, a ponte que permitiu conjugar história com a ambição de criar marcas novas, tal como a própria Rita conjuga juventude com sabedoria, conhecimento técnico com intuição.

Desiludida com a Engenharia Mecânica, Rita optou pela via da terra e do vinho. Formada em Enologia em Vila Real e Bordéus, escolheu cuidadosamente o seu percurso profissional, aprendendo e trabalhando lado a lado com alguns dos mais influentes enólogos do mundo, em alguns dos mais fascinantes terroirs do mundo: Bordéus, Califórnia, África do Sul, Nova Zelândia.

O regresso ao Douro trouxe à Rita um outro crescimento. De enóloga fez-se líder e a sua liderança envolvente permitiu-lhe construir uma equipa coesa, ambiciosa, dinâmica. Sempre para fazer vinhos que espelhem a sua personalidade. Ou melhor: o modo como a sua personalidade interpreta os sítios. O resultado são vinhos únicos: pessoais, apaixonados, frescos. Visões do transporte da terra crua para a mesa, a refeição, o convívio.

EQUIPA

CARLA COSTA FERREIRA

CEO

Carla é professora de engenharia civil na Universidade de Coimbra e fundou a empresa para cuidar e valorizar as vinhas da família. Ela é a estratega, gerente e troubleshooter da Conceito. É ainda mãe da Rita.

RITA FERREIRA MARQUES

enóloga

Enóloga chefe, chefe, administradora, diretora comercial, ideóloga dos vinhos, directora de agricultura, estratega, directora de exportação, cara, corpo, membros da empresa, Rita é a força motriz da Conceito, com uma atitude de mãos na massa, reatividade pronta, olho vivo e humor afiado.

MANUEL SAPAGE

enólogo

Enólogo e supervisor de todo o trabalho na adega e armazém, Manuel é as mãos da empresa. Disponibilidade, rigor, prontidão, grande fiabilidade, participa nas decisões enológicas e assina os vinhos.

NUNO FERNANDES

viticultor

Viticultor responsável pela agricultura, supervisiona todos os trabalhos nas vinhas e olivais. Incansável, disponível, rigoroso, planeia as ações tácticas e gere o pessoal da vinha de perto. Na vindima ainda consegue dar uma mão na adega.

CARLA COSTA FERREIRA

Carla é professora de engenharia civil na Universidade de Coimbra e fundou a empresa para cuidar e valorizar as vinhas da família. Ela é a estratega, gerente e troubleshooter da Conceito. É ainda mãe da Rita.

RITA FERREIRA MARQUES

Enóloga chefe, chefe, administradora, diretora comercial, ideóloga dos vinhos, directora de agricultura, estratega, directora de exportação, cara, corpo, membros da empresa, Rita é a força motriz da Conceito, com uma atitude de mãos na massa, reatividade pronta, olho vivo e humor afiado.

MANUEL SAPAGE

Enólogo e supervisor de todo o trabalho na adega e armazém, Manuel é as mãos da empresa. Disponibilidade, rigor, prontidão, grande fiabilidade, participa nas decisões enológicas e assina os vinhos.

NUNO FERNANDES

Viticultor responsável pela agricultura, supervisiona todos os trabalhos nas vinhas e olivais. Incansável, disponível, rigoroso, planeia as ações tácticas e gere o pessoal da vinha de perto. Na vindima ainda consegue dar uma mão na adega.

JOSÉ COSTA FERREIRA

(1930-2000)

LUÍS COSTA FERREIRA

Dois irmãos, tio e pai de Carla, respetivamente. Empreendedores e visionários, estiveram na origem da empresa agrícola que deu origem à Conceito Vinhos e que à época apenas produzia uvas para as casas de vinho do Porto. José teve intensa actividade pública, foi presidente da Câmara de Foz-Côa, fundou a Adega Cooperativa da Teja e criou a Super-Douro, uma gigantesca instalação que pertence a cinco cooperativas da zona, e que fornece serviços vários ligados à produção, processamento e engarrafamento dos vinhos. Luís divide o seu tempo entre Coimbra e Cedovim, acompanha as vindimas com paixão e uma bem disfarçada ponta de orgulho no trajecto que a empresa seguiu.

^